Olhares interprofissionais sobre vida e morte: mediação entre a vida e a terminalidade pelo Direito, Saúde e Bioética

Charlise Paula Colet Gimenez; Kelly Cristina Meller Sangoi (Orgs.)

No Olhar de Manuel de Barros, ele teve uma namorada que via errado. Ela não via uma garça na beira do rio. Ela via era um rio na beira de uma garça. O que ela queria era despraticar as normas. Nessa mesma esteira, a presente obra Olhares Interprofissionais sobre vida e morte: mediação entre a vida e a terminalidade pelo Direito, Saúde e Bioética propõe despraticar as normas e voltar-se para a terminalidade do ser humano. Como já trouxe Gabriel Garcia Marques, em Crônicas de uma Morte Anunciada, uma das grandes ironias está que a humanidade é ansiosa para falar da morte ocorrida, mas ninguém se dispõe a conversar sobre ela com quem está vivendo-a naquele momento. A morte, anunciada ou não, quando encontra os seres humanos, produz uma melodia única. Essa música é própria de cada um e de quem vive a morte. A nós, enquanto parte da humanidade, cabe o desafio de dialogar sobre e contribuir com olhares interprofissionais. Esse é o desafio que nos propusemos. A morte não é o contrário de vida. O nascimento é o marco inicial da vida, enquanto a morte é o cumprimento do termo anunciado. O tempo aqui dedicado pelos autores na construção de seus capítulos e na contribuição ao tema é um presente a cada um. E se vale a pena viver, morrer vale a pena, já dizia Gilberto Gil na canção “Então vale a pena ”.  

Nº de pág.: 283

ISBN: 978-65-5917-218-4

DOI: 10.22350/9786559172184